(Indie) Demo de Benbo Quest II: BenboWARS

15 de setembro de 2022 Deixe um comentário


Dia desses o Thumbtack lançou a demo da continuação do Super Benbo Quest na Itch.io. Pra quem não conhece, o original é um jogo de ação com humor sem noção sobre uma menina animé enfrentando esqueletos. Jogabilidade ágil, chefes bacanas, visuais e cutscenes completamente zoados. A continuação tem literalmente o mesmo enredo, aparentemente ao ponto de ignorar os acontecimentos do original, e em questão de jogabilidade agora é possível dar Shoryuken e combinar com o Rider Kick para massacrar os inimigos.

A demo vai até um trecho da segunda fase e é bem divertida. Joguem que vocês vão gostar. O primeiro também é barato e interessante mesmo debaixo de tanta palhaçada. Inclusive devo um review aqui no blogue. Pena que o autor da série, um gênio incompreendido do marketing, inventou de ser banido da Steam ao colocar “Team Fortress 3” como o título da página do jogo na loja há um tempão atrás. Na Itch.io, gente de terceiro mundo precisa de cartão internacional pra comprar joguinhos…

SAGE 2022, post 3

8 de setembro de 2022 1 comentário

(Post anterior)

Louny Balloony

O Balloon Fight de NES, só que melhor. Temos dois recursos para tomar conta: os balões e uma quantidade acumulável de penas. Sem um ou outro o protagonista não voa e logo se espatifa no fundo da tela. Ele é bem lento mas pode gastar penas para se impulsionar ou usar uma arrancada invencível. Esse movimento é necessário em certas partes mas é difícil de controlar em locais estreitos, não pode ser cancelado e gasta quase todas as penas.

As fases são todas auto-scroller, bem compridas e com direito a mini-fases secretas com desafios mais complicados. Não faltam vilões e obstáculos no caminho do protagonista, que tentam de literalmente tudo para derrubá-lo do céu.

Só achei irônico que apesar do criador ter colocado um tutorial no jogo e botar um aviso na segunda fase de que é possível voar só segurando o botão de pulo, a função de segurar a seta pra baixo para descer rápido e abrir baús não é explicada diretamente e me confundiu por alguns minutos… Um momento de jornalista gamer aqui no blogue.

Prototype N

Mais uma demo do Prototype N com a Nadine enfrentando uma rebelião de robôs do mal enquanto procura por seu criador. Tem sete fases aqui com uma boa jogabilidade no estilo Mega Man. Dá pra atacar inimigos com o escorregão e pular mais longe com ele. Há várias armas que podem ser equipadas e usadas para resolver quebra-cabeças que escondem DataChips que atualmente não tem uma função além do prazer de encontrar segredinhos nas fases.

O level design é bem legal, com boa variedade de obstáculos e bugigangas. Também não é muito difícil e as vidas são infinitas. A única punição ao morrer é voltar ao último checkpoint com a pontuação zerada. Certamente será um ótimo jogo quando for lançado.

Stellanova

Shoot ‘em up do criador do Teabat que tenho acompanhado no Twitter faz um tempo. É um jogo extremamente vistoso, com pixel art impecável e mil-e-um efeitos especiais de parallax e zoom nos sprites para dar um efeito de profundidade nos cenários. Às vezes meu laptop nem aguenta direito…

Começamos com um tiro rápido e um tiro carregado. Ambos podem ser mirados para frente ou para trás, sendo que segurar ambos os botões divide o poder de fogo entre as duas direções. Quanto mais combos marcar, mais rápido enche a barrinha de experiência que empodera a arma equipada. E tem propulsão também, que serve pra se esquivar e destruir certos obstáculos.

A dificuldade é elevada, com inimigos velozes e uma grande verticalidade nos cenários. Se perder as três vidas volta pro começo do ato com as armas zeradas. Eu cheguei na fase 1-2 mas infelizmente acabei parando por causa da limitação do meu teclado que mencionei no passado, pois não há uma opção de configurar os controles. De qualquer forma, recomendo muito pra quem curte jogos de navinha.

Badnik Quarrel

Este é um “party game” do brasileiro PVic onde usamos os robôs do Dr. Eggman para lutar contra outros jogadores online. Entre as batalhas e diversos minigames entre elas, podemos juntar pontos para fazer upgrades nos personagens equipados ou destravar uma nova categoria de badniks mais poderosos. Infelizmente eu nunca joguei de fato isto aqui porque nunca tem gente quando eu rodo ele e ninguém aparece quando eu mesmo inicio uma sessão! Ainda por cima, o jogo usa serviços online do Game Maker que serão encerrados em 2023.

Sonic McOrigins

Uma virtualização daqueles minigames LCD que foram brinde do McLanche Feliz há sei lá quantos anos. Eu tinha o do Sonic andando de skate no half-pipe de Sonic 2…

O projeto contém a maioria dos joguinhos exceto por Amy & Rouge Volleyball, Shadow Hockey e Shadow Basketball, que ainda estão fora do alcance do autor Difegue. Há fotos frente-e-verso de cada minigame e também um scan de cada manual que veio com eles. Também é um exemplo de projeto na feira que tem ports para Linux e Mac disponíveis.

(Próximo post)

SAGE 2022, post 2

4 de setembro de 2022 2 comentários

(Post anterior)

Sonic LaserDisc

Neste fangame inspirado em Sonic CD, cada zona tem quatro etapas. Primeiro é preciso terminar com 50 anéis para repetir a fase no futuro ruim, que é mais difícil e contém uma batalha contra o Eggman. Isso revela a versão passado da fase e abre livre acesso entre as três versões por meio das plaquinhas de viajem no tempo. O objetivo então é procurar o gerador de robôs escondido no passado, sendo que pode ser preciso passar por algum local exclusivo do futuro antes. Por fim, a última etapa é completar a versão futuro bom da fase dentro de um limite de tempo para coletar uma Esmeralda do Caos.

Essa pegada Super Mario 64 é no mínimo interessante e me lembra de quando fangames de Sonic precisavam ser mais criativos para compensar a falta da engine 360º da série. A demo atual tem cinco zonas e espero que terminem para dar início a continuação Sonic Disco de Vinil.

Sonic Frontiers 2D

Uma interpretação em 2D da premissa do Sonic Frontiers cheia de gráficos temporários. Há uma grande fase para explorar com corações escondidos nas áreas superiores. Depois de encontrar cada um deles, é possível interagir com os portais espalhados pela fase e acessar uma fase de velocidade no mundo cibernético: uma reprodução meia-tigela da Leaf Forest do Advance 2. Vencendo isso, acaba a demo.

Na demo, a nova habilidade de rastro de velocidade do Sonic só serve para resolver um puzzle e derrotar um tipo de inimigo. Além disso, as mecânicas de combate e os inimigos em geral podem ser completamente ignorados… exceto pela parte em que é preciso segurar o botão de soco no ar para entrar nos portais após ativar eles. Como não há explicação, fiquei vagando a esmo até trombar na solução!

Devo dizer que gostei sim de explorar a demo até o fim depois de passar a estranheza de usar a seta para cima para pular. E olha que eu sofri um bug grave em que um dos ganchos errou o alvo e puxou o Sonic infinitamente ao topo da tela. Foi sorte que me aconteceu com só 2 corações, ou eu podia ter me irritado o bastante para abandonar o jogo…

Que o Sonic Frontiers de verdade se saia como algo ainda melhor… ao contrário do Sonic 2006 em comparação com o breve fangame que o criador da SAGExpo, o BlazeHedgehog, tinha criado na época.

Bun ‘N’ Gun

Este projeto da Sharb é um negócio que foi de pixel art 2D a gráficos e jogabilidade 3D da noite pro dia pra mim desde a demo anterior que apareceu numa SAGE passada. Temos um coelho pistoleiro de um braço só e que pode esticar uma de suas orelhas para se segurar em paredes como se fosse o Homem-Aranha.

A demo é um teste de engine com três fases: um sandbox 3D para testar a jogabilidade geral, uma de obstáculos sobre um buraco sem fundo para praticar o balanço entre pilares, e por fim uma em trilhos 2D. É divertido e valerá a pena esperar pelas fases de verdade. O maior positivo pra mim é que é um jogo 3D que roda lisinho aqui no meu laptop. Provavelmente vai ser uma perda de tempo tentar testar o Project Rascal e demais jogos de mesma ambição nessas condições…

Dono’s Tale

Um platformer bem cativante obviamente baseado no Super Mario World 2. O dragão Dono tem dois conjuntos de habilidades: um botão pode soltar fogo, arranhar ou segurar um escudo enquanto que o outro alterna entre um pulo duplo, escalada e corrida. Fora o tutorial, há 5 fases na demo onde dá pra brincar bem com os poderes de pulo e “investida relâmpago do Pikachu que não causa dano”. Inclusive a quarta fase pode ser tão difícil que é melhor jogar primeiro a quinta que serve para ensinar todo o potencial dessa última habilidade.

Super Mario XP Remastered

O Super Mario XP original foi um clássico fangame criado por CnC Darkside em 2001 que misturava o level design e mecânicas do primeiro Super Mario e do primeiro Castlevania. Este é um remake por Matth33w que busca restaurar o jogo para sistemas modernos e adicionar novas fases para ele. A demo parece ter uma seleção de algumas áreas do original e ainda faltam alguns inimigos como os Dry Bones ou os Hammer Bros.

As particularidades mais notáveis de Super Mario XP são a barra de HP e a falta de um botão de corrida. Tem que apertar Cima+Pulo para pular alto, o que pra minha infelicidade bate com as limitações do meu teclado. Sabiam que muitos teclados não aceitam certas combinações de 3 teclas apertadas ao mesmo tempo? Por isso que eu testo o Cosmic Boll com as direções no teclado numérico!

Enfim, aqui o Mario está sempre no modo super e os cogumelos só recuperam HP. Ao tomar dano ele fica num pirepaque e até paraliza no ar, tornando as puladas entre plataformas ainda mais perigosas. Cheguei até a tomar um combo humilhante de um inimigo e um cogumelo venenoso… Além da Flor de Fogo e do Martelo há também a Cruz de Castlevania que pode ser usada para matar os Boos e os fantasmas que saem de Goombas esmagados nas fases posteriores. Todos esses poderes custam corações como em Castlevania e não podem ser usados à toa. E sim, também tem Item Crash de Rondo of Blood.

(Próximo post)

SAGE 2022, post 1

3 de setembro de 2022 1 comentário


A tradicional exposição online de jogos indie e fangames chamada Sonic Amateur Games Expo está no ar nesta semana. Como de costume, vou jogar o que puder e fazer recomendações aqui no blogue.

Sonic and the Fallen Star e Sonic Triple Trouble 16-Bit


Primeiramente, vale lembrar que esses são dois bons jogos completos com muito conteúdo que foram lançados recentemente. Podem pegar as versões mais recentes na feira caso ainda não tenham jogado.

Tamiigi and the War O’ Bunnies

Um detalhe bacana é como o marcador de combos é um noticiário dos vilões.

Jogo bonitinho onde um boneco caricato sai correndo pelas fases e espanca coelhos do mal. Como nos jogos do Kirby, é possível agarrar inimigos e absorver os poderes de alguns deles. O Tamiigi tem uma movimentação ágil e diversos ataques mas também é fácil tomar dano e morrer se não se cuidar.

Se jogar bem mesmo e marcar combos nos inimigos, dá pra acumular 100 bolhas nas fases e ganhar invincibilidade temporária para atravessar elas mais rápido. A demo tem duas fases, dois chefes e nenhum efeito sonoro. As músicas são emprestadas dos jogos do Kirby.

Surge The Rabbit

Projeto nacional do Alexandre Martins, o criador do finado fórum Gaming Brasil, onde muitos de nós começamos a mexer com desenvolvimento de jogos em meados dos anos 2000. Começou em 2008 como um fangame de Sonic chamado Open Sonic com troca de personagens e puzzles baseados em The Lost Vikings e de uns anos pra cá tem um elenco distinto de personagens como o coelho Surge no lugar do Sonic. Não confundam com a Surge dos quadrinhos da IDW que veio depois…

A demo tem uma zona de três atos com chefe no fim e uma boa jogabilidade, mas o maior atrativo do projeto é o editor em código aberto que permite criar novas fases, personagens jogáveis e o que mais vier na cabeça.

Soda-Powered Penguin

Jogo muito bom sobre um pinguim que usa uma garrafa de refrigerante como jetpack para ganhar velocidade, estourar balões e se lançar de paredes de gelo. As fases são gigantes e possuem várias áreas secretas que contém tampinhas de garrafa colecionáveis.

O maior desafio está na segunda fase da demo, que resolve imitar Wario Land 4 como o Pizza Tower e o Anton Blast e exige retornar até o começo da fase dentro de um limite de tempo. Chegando lá, encontramos uma chave opcional que abre um caminho no fim do percurso, sendo que é preciso passar por novas áreas até voltar pra lá! Vejam se conseguem vencer essa corrida maluca.

Sonic Hoshi

Um fangame que se passa logo após o Sonic 2, enfiando o Metal Sonic na trama para acabar com o dia do Sonic e do Tails logo após a destruição do Ovo da Morte. As fases tem um level design um tanto quadrado num meio termo entre o Sonic 1 e o CD, mas ainda assim é divertido jogar. O Sonic possui aquele air dash da forma Hyper dele, só que com um breve intervalo entre cada uso. É apelão mas por isso mesmo é bacana de se usar sem parar.

Um ponto forte do jogo são as batalhas contra o Eggman e o Metal Sonic, assim como o carisma das breves animações entre cada chefe ou fase. A demo possui 3 zonas de dois atos e termina com o Metal todo fodão chutando a bunda do Sonic pro espaço, o que eu diria ser uma boa forma de criar no jogador o desejo de se vingar quando um dia sair a versão completa.

Sonic Momentum

O Sonic Momentum é um fangame com foco em pancadaria que já começa forçando um tutorial de três partes explicando a movimentação básica, as formas de combar os inimigos e como os poderes Wisps e Chao alteram as habilidades do Sonic.

Quando se pega a manha de como rolar e quicar nos inimigos com o Sonic, de como usar o Insta-Shield-que-vira-Homing-Attack para rasgar a barrinha de vida deles, é muito divertido enfrentá-los e acumular combos. Só que ao jogar as duas fases normais da demo, que vem em versões dia, tarde e noite, vemos que o tal foco no combate da demo anterior foi pra escanteio! É preciso procurar os geradores de grupos de inimigos e ainda por cima ficar vários segundos dando sopa diante da câmera deles para uma batalha começar de fato!

Fora do combate, a jogabilidade em geral tem uma dureza que causa certo estranhamento na hora de avançar nas fases e pular entre plataformas. No papel do Sonic, é preciso alternar entre rolar nas descidas e correr nas subidas para manter a velocidade. As molas verticais refletem o efeito que costumam ter nos jogos 3D do Sonic e paralizam o movimento horizontal dele ao lançá-lo no ar. Esse aspecto do jogo é mais fácil com o Tails e o Knuckles por causa das habilidades aéreas deles.

Falando no Knuckles, um detalhe bacana é que ele não vira bolinha no chão como os demais personagens. Ele simplesmente sai cavando pra frente em alta velocidade. Valeu um sorriso ver essa caracterização para o personagem…

(Próximo post)

Trailer da Sonic Amateur Games Expo 2022

20 de agosto de 2022 Deixe um comentário


A SAGExpo deste ano ocorrerá entre os dias 2 e 9 de Setembro neste ano. Muitos fangames e projetos indies participarão da exposição e foi criados um trailer de cerca de 20 minutos para promover cada um deles. Além dos fangames de Sonic e Mega Man, há mesmo vários indies no trailer que chamam a atenção e que eu tenho acompanhado no Twitter há algum tempo. Aquele Soda-Powered Penguin, por exemplo.

Durante a exposição, vou tentar jogar e recomendar o máximo que puder aqui no blogue como de costume.

Vão jogar Sonic and the Fallen Star e Triple Trouble 16 Bit!

3 de agosto de 2022 1 comentário

Tenho tanto ânimo neste tempos que eu nem falei nada da Sonic Amateur Games Expo que vai ocorrer neste ano, não? Mas não posso deixar passar em branco aqui no blogue como aconteceu algo incrível nestas últimas semanas no cenário de fangames do Sonic: foram lançados dois projetos em alta escala, o Sonic and the Fallen Star e o Sonic Triple Trouble 16 Bit!

O Sonic and the Fallen Star do StarDrop que foi lançado há algumas semanas é fortemente inspirado na série Sonic Before/After The Sequel do brasileiro LakeFeperd. Tem belíssimos cenários, chefes interessantes e um bom estilo para os Estágios Especiais, mas também acaba partilhando do que eu considerava um grande defeito do After the Sequel, que é o level design com desafios e mecânicas escassos. Múltiplos atos viram o famoso “segure em frente para vencer” ao pé da letra até os chefes aparecerem. Ainda assim é um projeto divertido que vale a pena conferir.

Já ontem foi lançado o Sonic Triple Trouble 16 Bit do Noah N. Copeland, que no passado participou do desenvolvimento do Sonic Time Twisted. Trata-se de um remake do Sonic Triple Trouble de Game Gear com os gráficos no estilo do Sonic 3 e os level designs completamente reformulados. Há até algumas fases inéditas e um modo história para o Knuckles que justifica a aparição do personagem como vilão durante a jornada de Sonic e Tails. Esse é um que vocês tem de jogar assim que puderem sem tomar nenhum spoiler antes!