Início > Games, Gaming Nikki, Pecados Gamisticos > Diário de Proezas: Dragon Quest I (NES)

Diário de Proezas: Dragon Quest I (NES)

“Você me ama?”
“Não.”
“Mas você deve.”


Já tem vários dias que eu tenho segurado este post porque não consigo escrever uma introdução para ele, então tentarei ser prático e breve.
Já viram esses posts de “Pecados Gamisticos” que fizeram por aí? Eu também tenho o meu. E um de meus inúmeros pecados gamisticos é nunca ter jogado um jogo da popular série de RPGs Dragon Quest.
Há alguns meses, eu tentei jogar o primeiro jogo da série para o NES, mas aí os Slimes ficaram me matando repetidamente, eu não tinha idéia do que fazer e a jogabilidade era uma droga.
“Teria sido melhor ir ver o filme do Pelé.” O que é que há de tão especial nesse jogo para ele ter feito sucesso e se transformar num crássico entre os retrotrutas?
Veio o Gagá e jogou um balde de spoilers na minha cabeça.
E então tive um surto de motivação para jogar o jogo até o final.
Comecei a rejogar o jogo no dia 25 do mês passado e o terminei 3 dias depois.
O texto abaixo contém um resumo dos eventos do jogo, e portanto, vários spoilers.
Sem mais delongas…

Diário de Proezas – A Redenção Gamistica: Dragon Quest I

Missão 1: A Mensagem de Erdrick

Depois de dar um nome ao herói e escolher a velocidade dos textos, o jogo começa na sala do trono do rei do Castelo Tantegel, onde sou informado de que o protagonista é descendente de um herói chamado Erdrick, e que deve recuperar a Bola de Luz, que foi roubada pelo vilão Senhor Dragão. A filha do rei também está desaparecida.

Aquele castelo lá em baixo é o do Senhor Dragão. Tão perto, e tão longe.


A primeira coisa a se fazer em Dragon Quest, fora passar algumas horas fazendo level grinding, é encontrar uma mensagem deixada pelo ancestral do protagonista. Ela se encontra num calabouço localizado ao norte, perto de Garinham.
Não existe nenhum inimigo nesse calabouço e apesar da visibilidade ser ruim, o calabouço é curto.
Na mensagem, Erdrick diz que deixou seus itens protegidos por guardiões de sua confiança, e que eles serão necessários para poder enfrentar o Senhor Dragão.

Missão 2: Chaves Mágicas

Existem várias portas trancadas espalhadas pelas cidades e dungeons do jogo. Na vila de Kol, me dizem que chaves são vendidas em Rimuldar, uma cidade na parte sudeste do mapa. Para chegar lá é necessário passar por um túnel. Felizmente, atravessar o túnel é fácil mesmo sem o auxílio de tochas.

Caramba...


Ao chegar em Rimuldar, logo compro as chaves que de acordo com o vendedor, abrem QUALQUER porta. Hm…
Apenas 6 chaves podem ser carregadas de uma vez, e portas abertas com elas se fecham de novo quando se sai da tela em que estão.

Missão 3: Flauta das Fadas, Parte 1

Em Rimuldar, encontrei um ancião chamado Howard (parente do Geese?) que me diz que há um item escondido a quatro passos abaixo da “banheira que cura reumatismo” em Kol.

Localização da Fairy Flute.


Indo até lá encontro a Fairy Flute, e um outro cara me diz que agora que tenho a flauta, devo ir até a cidade de Cantlin para… Fazer ALGUMA coisa com ela. Eventualmente eu encontrei a cidade de Cantlin, mas não consegui entender o propósito da Fairy Flute.

Missão 4: Harpa de Prata e o Cajado da Chuva

Numa caverna perto de Kol, um velho me diz que para provar minha bravura, devo encontrar uma tal Harpa de Prata e levá-la até ele, e em troca receberei o Cajado da Chuva.
Alguns NPCs me dizem que o fundador de Garinham, Garin, possuia a harpa, e agora ela está em sua cova. Para chegar até lá, deve-se abrir a porta em Garinham e então procurar uma passagem secreta no fundo do salão.

Nessa altura do campeonato, eu já tinha a magia Radiant, que substitui as tochas, e explorar a cova de Garin não foi difícil.
Depois de pegar a harpa, a troquei pelo Cajado da Chuva e mais uma vez, não tenho a menor idéia do que fazer com esse negócio.

Missão 5: A Armadura de Erdrick

Depois de MUITO level grinding, cheguei ao nível 14 e assim consegui explorar a parte suleste do mapa sem sofrer… Muito. Eventualmente eu encontrei a cidade de Cantlin, que pra minha surpresa, estava sendo bloqueada pelo primeiro chefe do jogo, o Golem. Depois de derrotá-lo (e por pouco não morri), fui procurar algum lugar para usar a Fairy Flute, sem sucesso.
Por outro lado, os NPCs me comentaram que a armadura do herói Erdrick já foi usada por várias pessoas e a última foi um tal de Winn, que a enterrou perto de uma árvore atrás de sua loja que ficava no extremo leste da cidade de Hauksnes.

A cidade de Hauksnes fica num deserto ao sul de Garinham, e já nem é mais uma cidade: está destruida e dominada por monstros. No tile em que está a armadura, encontro outro chefe, o Axe knight, que derroto com míseros 6 HP sobrando.
A Armadura de Erdrick automaticamente substitui a que já está equipada pelo herói, e possui a capacidade de andar por cima de armadilhas sem sofrer danos. Ueba!

Missão 6: Pedras do Sol

Enquanto andava por aí falando com NPCs encontrei um que me disse para encontrar as “Pedras do Sol” no Castelo Tantegel, caso não o tivesse feito ainda. Depois de muito tempo, descobri uma caverna localizada do lado de fora do castelo, e lá estavam as pedras. Pena que não faço idéia do que fazer com elas…

Missão 7: Princesa Gaelin, DE BAIXO DO MEU NARIZ.

Pessoal, isso é hilário.
Lembram que acima eu disse que o túnel Kol-Rimuldar era tão fácil de explorar que eu nem precisava de tochas?
Pois é, agora a pouco eu resolvi usar a magia Radiant para iluminar o túnel, só pra ver se eu não tinha perdido algum baú por alí, e vejam só, A PRINCESA GAELIN ESTAVA ALÍ O TEMPO TODO!

Derrotei um Green Dragon que estava por alí e fui falar com a princesa. Ela pede para ser levada de volta ao castelo (e se eu recuso, ela fala “Mas você deve” repetidamente). Ao aceitar levá-la, acontece aquilo que o Gagá spoileou de forma espalhafatosa lá no Gagá Games: o herói a carrega no colo e isso é mostrado em seu sprite. Que bonitinho! =)
Então eu uso as magias Outside e Return e a levo de volta ao Rei. O rei apenas agradece o herói, mas a princesa o presenteia com seu amor, literalmente: um dos items, no meu caso uma tocha, é trocado pelo Amor de Gaelin, que permite ouvir a voz dela para saber quanto EXP falta para o próximo nível.

Game Over.


Ela também pergunta ao herói se ele também a ama. Eu cai na risada quando eu respondi “Não” e ela me disse “Mas você deve”. Assustador!😄

Missão 8: Flauta Das Fadas, Parte 2 – a Épica Conclusão!

Eu fiz uma pesquisa, e acabei descobrindo que a flauta servia para fazer o Golem de Cantlin dormir.

…Oh… Eu derrotei o Golem sem a flauta, haha… Eu sou o Cara. \O/

Missão 9: O Token of Erdrick

“70 léguas para o sul e 40 para o leste”, me disse um zé roela em Cantlin ao me mandar procurar sabe-se lá o que.
De início, fiquei me perguntando como diabos eu faria para saber como chegar nessas cordenadas e saber que estou no lugar certo, mas aí reparei que ao usar o “Amor de Gaelin” no overworld, ela me diz a distância em léguas entre o castelo de Tantegel e o herói.

Assim, eu encontrei facilmente o “Token of Erdrick”, localizado num pântano lá no extremo sul do mapa.
Com o token em mãos, fui ver um ançião numa caverna ao sul de Rimuldar – que sempre insistia em me dizer que eu havia falhado em minha busca, sem nunca me dizer o que raios eu devia buscar – e ele trocou o Cajado da Chuva e as Pedras do Sol pelo item Rainbow Drop, com o qual eu posso criar uma ponte para o castelo do Senhor Dragão!


…Caramba, cada tile no overworld é uns 4 quilômetros. o.o

Missão 10: Horas de Grinding, a Espada de Erdrick, e a Frustada Tentativa de Vencer o Sr. Dragão no Nível 17

Na teoria, eu deveria ir até o castelo do Senhor Dragão e derrotá-lo, mas eu ainda não tenho a Espada de Erdrick, ou mesmo o melhor escudo do jogo, e também ouvi falar que vencer o chefe final sem estar ao menos no nivel 20 é impossível.
O jeito é passar algum tempo genocídando esses Wyverns e Shadow Knights dos infernos até chegar nesse nível 20.
Fico me perguntando como é que os retrogamers mais velhos conseguiam jogar este jogo sem um botão turbo. Quantas semanas se leva para terminar este jogo sem um botão turbo? Quem é que tem paciência para ficar andando pelo mapa, por horas, em velocidade de lesma?

Enquanto derrotava inimigos, já em posse do Silver Shield, e ao som de This is It passando na Globo com péssimo sinal, resolvi explorar o castelo do Senhor Dragão em busca da espada de Erdrick. A entrada verdadeira para o calabouço final está escondida atrás do trono falso no fundo do salão principal.
O calabouço em sí é um labirinto, onde várias escadas me levaram a andar em círculos por aí. Depois de encontrar a espada, fui fazer uma visita ao Sr. Dragão no topo do castelo. Sua forma inicial, humana, é fácil de derrotar. Mas em sua segunda forma, que mostra o porque dele ser chamado “Senhor Dragão”, ele tira cerca de 40 HP por turno e eu fui miseravelmente ownado por ele.

Um detalhe interessante é que antes da luta, o cara propõe que o herói se una a ele, e se o jogador aceita a propósta, o final ruim do jogo é ativado. Cadê aquela princesa chata pra me dizer que “Eu Devo” fazer tal coisa agora?

Missão Final: A Última Esperança

Cerca de uma hora e meia havia se passado desde que eu sentei no sofa com o netbook no colo e o dedo grudado no botão de turbo do emulador, para tentar chegar ao nível 20. Eu acabava de ter chegado no nível 19, quando a última magia do jogo, “Hurt More”, é habilitada. No nível 19, o protagonista já é forte o bastante para derrotar os bichos do calabouço final mais facilmente eZzzzz…
Bem, o que aconteceu é que já era madrugada e eu queria terminar o jogo antes de dormir. Para chegar ao nível 20, ainda faltava mais de 3000 EXP, e isso demoraria muito. Embora eu tenha ouvido falar que o nível recomendado para derrotar o Senhor Dragão é 20, NO MÍNIMO, eu resolvi desafiá-lo de novo, indo até ele com a maior quantidade possível de MP.
O Sr. Dragão ainda era forte o bastante para derrotar meu personagem em 3 turnos, enquanto eu só poderia acertá-lo uma vez a cada dois turnos, causando pouquissimo dano, enquanto tentava me manter vivo com o Heal More.
Eventualmente, fiquei com apenas 33 HP sobrando, sem chance de recuperar pois o MP havia acabado. Ervas? Inúteis.
Já sem muita confiança e pensando em apertar o botão de “load state” para voltar a grindar, escolhi a opção “ATACA” para dar um último golpe no DRAGONLORD.

“Cara ataca! O HP do DragonLord diminuiu 7.”
…Fudeu.


“O encanto do Dragonlord se foi!”
HEEEEEEEEEIIIIIIIINNNNN???!!!

E foi assim que eu, Hyper Emerson do blog Twosday Code, derrotei o DragonLord de Dragon Quest I num nível abaixo do recomendado e no último ataque possível. Por momentos como esse é que eu jogo videogames! *Snif*

Epílogo: Não sei o Que Escrever Aqui

Depois da incrível batalha em que o herói CARA fez juz ao seu nome, matando o DragonLord de morte humilhante e bem matada, encontro a Bola da Luz, cujo poder destrói todo o mal no mundo. Nessa parte final do jogo, é possível explorar todo o mapa sem encontrar mais nenhum inimigo, e conversar com as pessoas nas cidades, que agradecem o herói.
Para encerrar o jogo, deve-se voltar ao Castelo Tantegel. Lá, o rei diz que agora que o herói provou sua bravura e relação com a linhagem de Erdrick, pode tomar seu lugar como rei de Tantegel.
Porém, o jogo não me permite tentar aceitar a proposta: Cara recusa e diz que quer ser o rei de um lugar que ele mesmo descobrirá. A princesa então desce pela escada e pede para que ele a permita acompanhá-lo em sua jornada.
E AGORA SIM o jogo me permite fazer “escolhas”. Pena que o “Não” ainda resulta naquele “Mas você deve” dos infernos!
Segurando a princesa nos braços, Cara sai para desbravar o resto do mundo que agora se encontra livre das forças do mal, “a não ser que os dragões voltem”, como dizem as palavras finais do jogo.

-Diário de Proezas: DRAGON QUEST I – FIM

Palavras Finais:
Enfim, depois de 3 dias de jogo eu terminei Dragon Quest, RPG da Enix para o NES que é um dos pioneiros do gênero.
O jogo não tem mais história do que o primeiro Super Mario Bros, a jogabilidade é ruim e lenta e o grinding é infamemente forçado e demorado.
Por outro lado, os gráficos e músicas são agradáveis, meu emulador tem botão turbo e a memória da derrota do chefe final é algo que eu gostaria de manter.
Hm, pensando bem, eu também tinha derrotado o Golem e o Axe Knight com pouquissimo HP faltando e não usei a flauta no Golem, HAHAHA!

Eu gostaria de agradecer ao Gagá do blog Gagá Games, pois foi seu artigo spoilertástico sobre DQI que ele postou há algum tempo atras (pra quem não viu, havia uma imagem ENORME do herói segrurando a princesa nos braços) acabou me incentivando a jogar este crássico dos RPGs até o fim.

Bom, isso é tudo. Quanto a aquele diário do Super Hydlide, bem, veremos se eu conseguirei terminar aquilo antes de Duke Nukem Forever, PlasmaX, Blockshot ou Sonic Nexus serem lançados. Haha.

  1. 9 de julho de 2010 às 4:57 PM

    Eu adoro spoilers, rs…

    Já sugeri de fazermos uma SF (“spoilers friday”) no Twitter, estragando o final de um jogo aleatoriamente toda sexta-feira, mas a turma amarelou. Acho que foi medo da represália :p

    Pois é, o velho DQ1 tem trocentos defeitos. Mas o que eu curti é que o jogo é simpático e, ouso dizer, divertido. O level grinding é brutal, mas me incomodou menos matar monstros do que na maioria dos RPGs que eu jogo. Acho que eu meio que simpatizei com o jogo, e curti o “durante” em vez de ficar obcecado em terminar — coisa que acontece 99% das vezes em que eu jogo um RPG, por mais que eu goste.

    Acho que a tal cena da princesa teve a ver com isso. O jogo me ganhou ali. É meio gay isso, mas sabe como é, “so cute”🙂 Acabei simpatizando com o carinha, com a princesa e com o figuraça que inventou aquela presepada toda. Dali para frente foi um prazer ficar ganhando níveis.

    Valeu pelas referências ao Gagá Games, rs… um abraço!

  2. Emanuel
    12 de outubro de 2010 às 9:56 PM

    pow o jogando dragon quest agora
    e queria saber especificamente onde fica a Flauta das Fadas
    pq já procurei tudo na quela cidade e nn acho pode me ajudar ?

    agradeço

  3. Emanuel
    13 de outubro de 2010 às 4:27 PM

    ValeooO
    consegui mas acho que nem vou usar a flauta pq eu já derrotei o golem sem ela
    eu estava encontrando dificuldade pq eu jogo na versão pra SNES e um pouco diferente mais valeoo msm!

  4. 25 de dezembro de 2010 às 3:30 PM

    Parabéns pelo feito histórico!
    Arrasô!

    Um dia tomo coragem e encaro essa presepada.
    O pior é que cada um que joga esse treco elogia e tudo mais, daí eu fico mais culpado por carregar esse pecado… mas aquela motivação verdadeira não chega.

    Enfim, Boa Sorte no Sorteio!

  5. diegaozims
    27 de dezembro de 2010 às 11:56 PM

    Eu acho que voçe deveria colocar uns créditos aos romhackers que traduziram o jogo pois eu sou um romhacker e sei o quanto é dificil fazer uma tradução ainda mais de rpg.
    Estou jogando a um dia esse jogo e realmente é um jogo nice.agradecimentos à Hyllian da CBT que fez essa relíquia ter um pouco do brasil.

    • 29 de dezembro de 2010 às 3:51 AM

      Vai querer royalties também? *awesomeface*

      De forma alguma vou querer desmerecer o trabalho dos caras e tal, mas não achei necessário escrever sobre os tradutores no meio de um diário de bordo. Problemático mesmo seria a venda do trabalho de hackers e tradutores.

      De qualquer maneira, o screenshot da tela título lá em cima já menciona o nick do tradutor.

  6. Mauricio
    12 de agosto de 2012 às 7:02 PM

    cara se você tivesse tocado a flauta para o golem ele teria dormido e seria muito mais fácil derrotá-lo entendeu? Mesmo assim parabéns, pois você derrotou o golem, o que deve ter sido muito dificil sem a flauta, eu nem sabia que era possível.

    • 13 de agosto de 2012 às 12:40 AM

      Você fala como se eu ainda não soubesse, mas já expliquei lá em cima que descobri o propósito da flauta algum tempo depois de derrotar o golem! É mesmo bom que seja possível derrotar o golem sem a flauta, pois o jogo nunca explica que ela tem que ser usada nele.

  7. 14 de agosto de 2012 às 4:30 PM

    Passei pela mesma situação com a princesa quando fiz o Diário pro Gagá Games…

  8. jonathan eduardo
    9 de outubro de 2012 às 3:10 AM

    kkkkkkkkk tem uma quest a mais que facilitaria mais na ultima missao e era a missao do anel do guerreiro o qual voce descobre na cidade de kol
    ele estava na caverna abaixo da cidade de Garinham e ela recarrega o HP cada vez que voce anda assim voce nao perderia tanta energia tendo que voltar a cidade enquanto fazia o grinding

  9. 31 de maio de 2014 às 12:20 PM

    a onde eu arrumo DQ traduzido

    • 31 de maio de 2014 às 6:48 PM

      A Emu-Russia geralmente disponibiliza traduções e hacks já prontas junto com as roms originais em pastas rar.

  10. 11 de dezembro de 2015 às 12:48 PM

    Cara… Zerei hoje essa belezinha na versão remaster do Android, quando você diz que passou horas fazendo grind, eu fui além… Não tem “fast forward” na versão do android, eu tive que upar na velocidade normal. Mas não aguentei, fiz um macro pro Herói andar pelo mapa e lutar sozinho contra os monstros, estava level 13 quando terminei de programar o script do macro e deixei a NOITE INTEIRA rodando, no outro dia de manhã eu estava no level……..15! mas pelo menos ja tinha dinheiro pra comprar os melhores equips de npc, ai ficou mais facil, mais umas 3h grindando num lugar melhor peguei lvl 20 e corri pro dragão. Ótimo guia, valeu!

  1. 8 de novembro de 2014 às 3:50 PM

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: