Arquivo

Archive for the ‘Fangames’ Category

Data da SAGE 2020 Anunciada

19 de maio de 2020 1 comentário


A Sonic Amateur Games Expo é uma exposição online de fangames do azulão que também serve para promover projetos indie originais. Já tem 20 anos de história, e apesar de tantos jogos terem sumido do mapa após uma demo ou outra (até hoje lembro do tal do Everlasting Song…), sempre valeu o prazer de criá-los para a diversão de outros mundo afora.

Marcaram o evento entre 5 e 12 de Setembro, mas os detalhes sobre inscrições ainda estão por vir. Veremos se eu consigo um bom progresso para o Cosmic Boll até lá…

Gameplay de Maverick Hunter X: Giga Mission

18 de janeiro de 2020 Deixe um comentário


O Maverick Hunter X: Giga Mission é um promissor fangame de Mega Man X desenvolvido pelo Rodrigo Shin do blog falecido O Ácido Cinza (o cara do Cataegis: The White Wind e do Mega Man Vs. Reirom). Saiu um vídeo com uma volta completa pela primeira fase, e podemos ver como funciona a jogabilidade em estilo beat ‘em up e como os personagens secundários vindos dos quadrinhos da série podem ajudar o herói.

O jogo ainda não tem previsão de lançamento.

Prévia de 17 minutos de Sonic Classic 2

12 de janeiro de 2020 Deixe um comentário

O Sonic Classic foi um fangame lançado em 2011 por um sujeito conhecido como Hez. Tinha bastante conteúdo naquele joguinho e era divertido, embora também cheio de bugs que só aumentavam conforme o cara lançava atualizações. Na última vez que baixei o jogo o chefe que se passava de baixo d’água não soltava bolhas e era impossível, por exemplo.

Recentemente foi lançado o código aberto do Classic junto de um protótipo para quem tem o Multimedia Fusion ou o Clickteam Fusion 2.5, mas estranhamente não consegui fazer a fonte rodar no CF2.5 porque o programa fica pedindo a extensão INI++ apesar dela estar instalada e o cara não me respondeu nada. Pena que eu perdi a cópia crackeada do MMF2 que eu usava anos atrás!

O protótipo eu consegui abrir e tem umas coisinhas legais nele como a The Doomsday do Sonic 3 & Knuckles programada de forma bem convincente na engine do jogo. Criar um jogo que se passasse imediatamente após o S3&K foi um dos maiores desejos dos fangueimers, como o Sonic XG e o remake do Triple Trouble também não deixam negar. Infelizmente, as outras fases que não aparecem na versão final como a com tema de caverna estão mesmo num estado preliminar e pouco jogável neste protótipo.

Bom, de lá pra cá o Hez tem se ocupado com o Sonic Classic 2 que, além de ser continuação, também inclui um remake do original e ports do Sonic 1 e do Sonic 2. Ele postou o vídeo acima com 17 minutos de jogatina e disse que desta vez o jogo será lançado mesmo durante o verão boreal de 2020. O vídeo demonstra apenas o Sonic, mas revela diversas fases dos 4 componentes do jogo e mostra que o maluco conseguiu até programar as fases especiais do Sonic 1 nele.

Na verdade, a ideia de recriar o Sonic 1 no Multimedia Fusion foi a origem disso tudo há cerca de doze anos.

Outro detalhe interessante é que é possível manter 2 escudos e não só trocar entre eles como também combinar seus efeitos. Tem até itens que deixam o Sonic fantasiado de Tails ou o Knuckles para voar e escalar paredes, apesar dos dois personagens estarem presentes no jogo. Birutices de fangame. No mais, o jeito é esperar mais um pouco para ver como ficou.

Trailer de Oddity, o ex-Mother 4

3 de janeiro de 2020 Deixe um comentário


Do nada saiu um trailer desse tal de Oddity, um RPG caricato que outrora foi um fangame de Earthbound chamado Mother 4 até que os desenvolvedores resolveram se prevenir contra processos da Nintendo. Já se passaram uns 14 anos, chegaram a vazar esse título e detalhes do enredo no ano passado e houveram outros Earthbounds de garagem que ganharam destaque nesse período (mais o Undertale, mesmo) mas ainda boto fé que Oddity vai se sair um bom joguinho.

O enredo de Oddity trata de uma galerinha da pesada resolvendo o mistério de desaparecimentos e incidentes paranormais em sua cidade. O sistema de combate em turnos é no estilão de Dragon Quest mesmo e com comandos de reflexo para aumentar o dano dos ataques. Os sprites dos personagens são bem vistosos, e os heróis ficam visíveis na tela conforme atacam. O jogo continua sem data certa de lançamento, mas quem sou eu pra reclamar?

Vão jogar Power Bomberman.

11 de dezembro de 2019 2 comentários


Power Bomberman é um fangame do robô explosivo da Hudson e da Konami que começou a ser desenvolvido em 2013 pelo que entendi. Conheci ele ontem em ocasião da atualização 0.7.1 do dia 8 de dezembro, e ele se mostra uma das melhores opções para jogar partidas de Bomberman online em PCs.

É possível jogar partidas entre até 12 jogadores se o líder escolher uma das arenas maiores baseadas no raro Hi-Ten Bomberman de 1993. Infelizmente o meu computador não aguenta mas deve ser divertido pacas isso. Tem uma enorme lista de itens vindos de toda a série e até um punhado de itens originais. O menu principal traz um manual sobre como cada powerup funciona e é possível customizar quais itens e cangurus Louies aparecerão durante as partidas.

É especialmente bacana colocar as partidas com as arenas no aleatório, pois algumas deixam tudo mais maluco com obstáculos ou alterações nos atributos iniciais dos personagens. Características como as paredes se fechando no último minuto ou a possibilidade de atrapalhar os adversários mesmo depois de derrotado também marcam presença.

O jogo também traz centenas de skins destraváveis por meio de uma lojinha ao gastar as moedas ganhas durante a jogatina. Os caras colocaram os elencos de praticamente todo jogo do Bomberman e também personagens de outras séries que tenham mesmo a mais tênue conexão com o personagem.

Tem o Eric do Bomber Man original de PC-98, tem o Lode Runner que é o próprio Bomberman na forma humana, tem o Wario por causa do Wario Blast de Game Boy, tem o carinha de armadura erótica do detestado Bomberman: Act Zero, tem as garotas do recente Bomber Girl que ainda é um arcade exclusivo do Japão e além disso não só a turminha da Konami vinda do Super Bomberman R como também o pessoal da Hudson que a Konami não se importou de revisitar.

Colocaram até o Power Pro-kun que a própria Konami não usou nos crossovers picaretas do Super Bomberman R apesar de ter promovido as séries Pawapuro e Bomberman juntas em múltiplas ocasiões no passado. Essa é a nerdice do pessoal envolvido no projeto.

Os diversos personagens não tem poderes especiais nem nada, mas quando eu tomei bombada com o carinha-de-beisebol e em vez de explodir que nem balão ele caiu sentado e triste antes de sumir, eu fiquei admirado com a dedicação dos desenvolvedores em colocar com o passar dos anos mais de 300 bonequinhos com animações distintas das do Bomberman. Em geral, o acabamento audiovisual do jogo passa bem a impressão de um trabalho profissional.

Cuidado para não acertar as portas de saída ou os itens, senão aparece um enxame de fantasmas que atravessam blocos!


O jogo também traz um remake do Bomberman 1 de NES e com direito a um modo turbo onde começamos com duas bombas e tudo é mais rápido, mas não é possível usar outros bonecos nesse modo e ele rende bem menos moedas para o tempo que se gasta numa partida. E mesmo no modo turbo e com todas essas firulas sobre os gráficos 8-bit o jogo não parece tão frenético quanto o Pac-Man Championship Edition DX+ ou o port de Heiankyo Alien que lançaram em 2017 na Steam. Só tá aí pra dizer que tem alguma coisa pra jogar sozinho.

Mapa com um único bloco com item que se regenera.


E é isso que eu queria partilhar com vocês hoje. Mais informações no tópico do projeto:
http://www.bombermanboard.com/viewtopic.php?t=1925

É lançada a primeira demo de Brasonic 20XX

5 de dezembro de 2019 Deixe um comentário


Saiu uma demonstração para o fangame nacional Brasonic 20XX: Critica Social Foda – Tô Brabo. O jogo é um remake do original que foi lançado há mais de dez mil anos atrás e trata das aventuras do ouriço auriverde contra a corrupção brasileira.

A demo vem com três fases, três chefes e diversos segredos para destravar. A jogabilidade não é lá algo que se diga “meu Deus, que coisa, os controles são iguaizinhos aos da trilogia clássica” mas dá pro gasto e as fases também são decentes. O ponto mais complicado é escapar das Cataratas do Iguaçu, que foi a fase em que eu mais me diverti e mais fiquei irritado pois se cair no fundo da fase o jogador é arrastado por correntezas até as seções anteriores!

Podem ir pegar a demo pela página de Facebook dele.