Arquivo

Archive for the ‘Fangames’ Category

(Review – PC) Sonic Boll

15 de março de 2021 1 comentário


Existe um fangame brasileiro de Sonic e Mario chamado Sonic Boll que eu vi no Twitter umas vezes querendo jogar… e me dei conta que se passaram anos, a versão final é de 2019 e eu tinha simplesmente me esquecido completamente dele até agora. Bora resolver este pecado gamístico então…

O jogo tem a jogabilidade baseada nos Super Marios de Nintendinho, mas a maioria dos personagens disponíveis são de Sonic. Temos o azulão, o Tails, o Knuckles e até o Mecha Sonic do Sonic 2… enquanto que de Mario só temos os dois irmãos encanadores e… o Stanley do Donkey Kong 3? Cada um tem suas habilidades especiais com ou sem os items de Cogumelo e Flor de Fogo, sendo que os personagens de Sonic acabam sendo tão apelões que deram ao Mario no mínimo a habilidade de rasteira como equivalente a rolada deles.

Por padrão estão disponíveis dois pacotes de fases baseados no Mario 1 e no Mario 2 Japonês, com opções de mudar os gráficos para os de Mario 3 ou World e mudar a trilha sonora para a de outras coisas, incluindo até o bom e velho Jojo’s Bizarre Adventure: Heritage For The Future da Capcom???

Dei uma passada rápida pelo pacote de Mario 1 com o Sonic que pode usar Insta-Shield para quebrar blocos e um dash no ar que fica em chamas após pegar a Flor de Fogo. Com esse powerup ele também pode atirar os Sonic Booms do Guile, o que é bem bacaninha. É preciso se acostumar um pouco com a física, mas os saltos rodopiantes do ouriço lhe dão uma grande vantagem na maioria das fases. Exceto nas de água, onde ele não nada e é forçado a usar o Insta-Shield para acertar os vários Bloopers que aparecem.

Existem Special Stages no jogo que são um minigame de bolinha de gude em 3D. Siga o caminho sem cair, pegue moedas para destravar barreiras e então alcance a Esmeralda do Caos antes do tempo acabar. Foi uma grata surpresa ver o minigame, mas para que ele apareça nos checkpoints é preciso encontrar, por acidente mesmo, joias escondidas em blocos invisíveis. O jogo não salva o progresso disto, então ainda estou longe de saber se tem forma Super pra todo mundo aqui.

Tanto as fases normais quanto os bônus possuem um editor de fases com direito a items e mecânicas que não aparecem no modo normal. Não é lá um Super Mario Maker mas dá pro gasto. E olhando o editor eu descobri o The Kid do I Wanna Be The Guy na lista de personagens, sem entender como destravei ele. Parece que o outro personagem secreto é o Ashura (um famoso glitch de Sonic 2), mas não sei como encontrá-lo. Voltando, vale notar que o editor de fases requer um mouse com botão-rodinha para mover o mapa. Isso me confundiu um bocado e tive que buscar informação no Youtube…

E falando em confusão, a versão linkada no site oficial do jogo é a 1.9.3 mas na verdade um beta da versão 2.0 já está disponível. Como o perfil do jogo no Twitter está zerado e o servidor de Discord sumiu não entendi bulhufas da situação.

Na versão 2.0 o Ashura e o Kid já começam destravados e há a Giana da série Giana Sisters, mas a Amy virou skin do Sonic e tanto o Stanley quanto o Mecha Sonic sumiram completamente. Há também um recolor do Sonic chamado Simple que serve de exemplo para a função de programar novos personagens para o jogo. Não há opções de gráficos e trilhas sonoras no beta, e ao invés das fases de Mario 1 e Mario 2 Lost Levels há uma mistura de ambos com alterações no level design.

No geral Sonic Boll é uma forma divertida de revisitar os dois primeiros Super Marios e as funções de edição de fases lhe agregam muito valor para quem gosta. Como há tantas diferenças entre as versões, fica aqui os dois links para que experimentem:
-1.9.3
-2.0 Beta

E por fim, uma telinha em homenagem ao Gamer Caduco que recentemente suportou o Sonic 2006 como parte de sua maratona da série Sonic. 😉

Data da SAGE 2021 anunciada

13 de março de 2021 Deixe um comentário


Teve há 4 dias um anuncio antecipado da data da tradicional exposição online de joguinhos Sonic Amateur Games Expo deste ano: de 21 a 27 de Agosto. Tanto fangames de Sonic quanto quaisquer outros projetos indie são bem vindos, mas os detalhes e prazos para participar do evento ainda não foram informados.

Como o tempo passa…

Demo de Mega Man Battle Network Overclocked

15 de dezembro de 2020 1 comentário


Mega Man Battle Network Overclocked é um fã-remake do primeiro jogo do Mega Man Anti-vírus com gráficos 3D. A demo atual tem o primeiro capítulo da aventura, sendo que o Nick-West não pretende continuar o projeto além do segundo capítulo.

Gostei de ouvir um tema do Battlechip Challenge tocando na luta contra o GutsMan.


E o que dizer disso… bem, é simplesmente o BN1 em 3D e com algumas poucas adições vindas das continuações ou do port Operation Shooting Star de Nintendo DS. Embora o BN1 não tenha sido exatamente um jogo ruim, tal como em qualquer começo de série de Mega Man menos o X1 ainda faltava muito polimento em suas mecânicas e level design.

O visual do remake é bonito, bem bonitinho mesmo, mas um detalhe tosco na versão que baixei é as expressões dos personagens. Enquanto escrevo este post já devem ter consertado o problema, mas gostaria de deixar registrado mesmo assim…

Calma, Mayl, o remake não vai durar o bastante pra adaptar o easter egg once o Lan vê você trocando de roupa…


Em toda a série, somente o port pra DS do quinto jogo tinha caixas de diálogo expressivas para os personagens e Overclocked resgata isso… só que o Lan e o MegaMan.exe ficam fazendo cara de espanto o tempo todo em cenas que nem fazem sentido!

Além disso, o sombreamento nos personagens e o estilo dos olhos deles faz a Profa. Mari e a Mayl ficarem perpetuamente encarando a tela de um jeito que me rendeu uma boas risadas aqui. Só porque o título original era “Rockman.EXE” não significa que seja creepypasta…

O dungeon do FireMan não foi alterado e continua com um quebra-cabeças bem simples… e como o projeto não adaptará o capítulo do ElecMan nunca saberemos se o maldito labirinto dele seria menos frustrante…

E é sempre engraçadinho ver nesta parte do jogo a cena que ilustra a “Ciência da Capcom” que permeia todo o mundo cibernético da série: Lan conecta seu smartphone num fogão em chamas para o MegaMan liquidar os vírus dentro da máquina, mas quando a situação piora o herói é forçado a tomar atitudes drásticas…

Não tentem isto em casa, crianças!


Em geral a demo vale pela curiosidade tenham vocês jogado o original ou não. Deve dar pra confrontar e vencer o FireMan em menos de uma hora, especialmente se o jogo bugar pra vocês também e não aparecer qualquer encontro aleatório com vírus, restando apenas passar pelo tutorial e mais umas três lutas fixas. Espero que também já tenham corrigido isso: https://nick-west.itch.io/megaman-battle-network-overclocked

(Indie) Artemis’ Minesweeper

21 de novembro de 2020 1 comentário


Artemis’ Minesweeper é uma mistura de jogo de navinha com Campo Minado que me fez perguntar “como que nunca vi essa ideia antes?” A coisa é simples assim, deduzir a localização das bombas na matriz enquanto desvia o ponteiro das ondas de tiros da Artemis, uma dessas Youtubers virtuais que são moda hoje em dia.

Na dificuldade padrão o tiroteio já é bem constante e fica tenso cumprir as duas tarefas ao mesmo tempo, especialmente no topo do tabuleiro. Seria legal se fosse expandido com outras personagens com padrões de ataque próprios.

O jogo roda online pelo console virtual Pico-8: https://swamp-kun.itch.io/artemis-minesweeper

(Review – PC) Mega Man RAM

10 de novembro de 2020 2 comentários


No passado já um tanto distante foi grande coisa a Capcom ter lançado dois Mega Mans oficiais com gráficos 8-bit e projetados nos padrões do Mega Man 2, mas hoje em dia os próprios fãs tem engines caseiras que lhes permitem criar trabalhos retrôs interessantes como o Unlimited, o Rock Force, o Rock & Roll e agora este Mega Man RAM que foi criado pelo J8-BIT FORAGER na Megamix Engine.

De acordo com a historinha… no manual, pois o jogo não tem abertura… o vilão da peça não é mesmo o Dr. Wily mas sim o Sheep Man, que ficou fortão e quer dominar o mundo com seu grupo de robôs-mestres. Um grupo bem inclusivo, dividido igualmente em 3 Robo-men e 3 Robo-women: Spiral Man, Creamery Man, Chimera Man, Sugaku Woman, Sickle Woman e Traction Woman.

Sim, seis chefes ao invés de oito, e o castelo do Sheep Man infelizmente é só duas fases. O lado positivo é que as fases são bem construidas com cenários bonitos, inimigos bem posicionados, gimmicks variadas e uma boa duração que frustra pouco mesmo após um game over e outro. Gostei de ver as geléias propulsoras na fase do Spiral Man e o carrinho no final da fase da Traction Woman.

Fora os E-Tanks escondidos não há outros items especiais pelas fases, mas é possível comprar alguns upgrades na lojinha do Dr. Light. Entre eles é essencial o upgrade do escorregão que faz o Mega manter a velocidade entre um dash e um pulo. Outros dão misseis e uma espadinha infinitas mas como a aventura é bem curta acabei nem vendo os mísseis!

Os chefes tem padrões de ataque divertidos e depois de detonados suas armas causam um bom estrago nos demais inimigos. Algumas delas até possuem utilidades secundárias, como o Parabolic Charge que rouba vida e facilita até demais a jogatina ou o Softserve Seeker que congela inimigos com mísseis teleguiados. Ao invés do Rush Coil e Jet, o Mega tem o Teleport Phaser que faz ele dar um pulão reto pra cima na forma de energia para se esquivar, acertar os inimigos e trapacear certos desafios de plataforma.

Como fui usando as arminhas sem medo de ser feliz, não reparei no quão viável é completar o jogo só na pistola e sem upgrades. Já aviso que tem uma área de buracos sem fundo, plataformas temporárias e inimigos voadores na fase da Sickle Woman que não hesitei em literalmente pular com o upgrade do escorregão assim que o comprei!

Enfim, Mega Man RAM é um fangame bem convincente do Mega Man clássico que só peca por parecer que há algo faltanto em comparação a estrutura com que estamos acostumados no resto da série. Uma hora de jogatina basta. Nem final tem: o Sheep Man cai de joelhos e já rolam os créditos. Há sinais de um modo difícil no jogo, mas não tenho ideia de como destravá-lo…

Fica aqui o link pro fangame: https://gamejolt.com/games/mega-man-ram/551844

Coisas da Sonic Hacking Contest 2020

3 de novembro de 2020 1 comentário


Além da SAGE para os fangames de Sonic, todo ano tem uma competição de romhacks e mods dos jogos do ouriço chamada Sonic Hacking Contest. Tem cada vez mais projetos em cima dos jogos 3D para PC, além do Sonic Mania que infelizmente ainda não foi destrinchado a ponto de permitir modificar inimigos e mecânicas das fases. Pois é, conseguiram enfiar o DOOM no Sonic Mania mas o jogo é programado de tal forma que apesar da fama de trabalho de fãs-pra-fãs não dá pra inserir novos objetos nas fases.

De qualquer forma, o bocó aqui vai ficar nas roms de Meguinha mesmo…

Sonic 1 published by EA

An Ordinary Sonic Romhack ainda é a única coisa de creepypasta de Sonic que vale a pena jogar…


Este hack de Sonic 1 é uma paródia das práticas de microtransações da Eletronic Arts. Pra começo de conversa, só é possível começar o jogo juntando 199 graninhas ao assistir vários ciclos de demos com propagandas de outros jogos no canto. Feito isso, descobrimos que muitas das ações necessárias para completar as fases custam dinheiro. Cada pulo custa 4 bufunfas e rolar drena dinheiro a cada segundo. Mesmo nos estágios especiais, adentrar a área de cada esmeralda custa 10$ e derrubar as barreiras também drena pataca por pataca. Com isso tudo, é preciso jogar Sonic 1 como se fosse speedrunner de Super Mario 64, pulando e rolando o mínimo possível.

…Ou então ativar o fast forward no emulador e deixar as demos acumulando dinheiro. Colocaram um montão de propagandas engraçadinhas, sendo que algumas fazem menção a outros jogos e fangames. Um easter egg no meio disso é um par de popups que contém um link para o fangame Sonic Uprising… que dia desses infelizmente teve um lançamento desastroso de uma demo que tava bugada de doer…

Mighty & Ray in Sonic 2

Sempre tem um punhado de hacks que portam personagens para a trilogia do Mega e aqui estão o Mighty e o Ray como eles aparecem no Sonic Mania. O Mighty até tem alguns caminhos exclusivos, apesar de que só encontrei os da Hill Top. Com a habilidade dele de bloquear dano não elemental, a dificuldade que me fez passar toda a infância desvendando este jogo vai pelo ralo. Já o Ray é situacional com a habilidade de voo dele: algumas fases ele rasga pelo ar, mas naquelas mais claustrofóbicas ele não é tão bonzão assim.

Sonic 1 – Point & Click Edition

Este hack torna o Sonic 1 compatível com o mouse do Mega Drive, permitindo interagir com items, inimigos e obstáculos para facilitar a jogatina. No emulador Kega Fusion funciona bem após configurar os controles. E sim, o Mega teve um mouse para rivalizar com o Mario Paint! O Gamer Caduco tem um bom artigo sobre o tal abacaxi.

Sonicu The Cubehog

Finalmente um hack de Sonic para os fãs do Quico.


Neste hack o Sonic é reduzido a um cubo que se move sozinho pra frente, e na base da tentativa e erro vamos saltando pelas fases até onde a paciência aguentar…

Dr. Robotnik’s Mean Bean Machine: DX Edition

Há muito tempo a Nintendo e a Sega americanas discriminavam a estética animé de Puyo Puyo e enfiavam seus personagens por cima do elenco da série. Eu mesmo conheci Puyo pelo Dr. Robotnik’s Mean Bean Machine, e este hack termina o processo trocando o mascote Carbuncle pelo Sonic e alterando os diálogos para que o enredo seja da perspectiva dele. O jogo também pode salvar placares, o que curiosamente era algo que muitos jogos não tinham bateria para tanto na época…