Joguem a demo de FISH, o Kubanacan dos jogos de tiro

26 de outubro de 2017 Deixe um comentário


FISH é um jogo de tiro em primeira pessoa nacional desenvolvido por Arthur Zeferino, um dos fundadores do site GAMESFODA. Inspirado em DOOM, Quake e Kubanacan (sim, a icônica novela Kubanacan), FISH traz as aventuras de um Pescador Parrudo que luta contra o domínio de uma raça de homens-peixe piratas. Além da jogabilidade rápida, fases complexas e das armas que se espera do gênero, o herói também pode usar um gancho com corda para escalar até locais normalmente inacessíveis ou puxar objetos.

Há uma demo disponível com uma fase e o lançamento está marcado para 2019 com um mínimo de 16 fases planejadas. O jogo tem uma campanha de crowdfunding na Indiegogo que acabará em 21 dias.

(Review – Arcade/NES/Game Boy) Flipull: An Exciting Cube Game

26 de outubro de 2017 Deixe um comentário


Volto ao blog com mais uma resenha de um quebra-cabeça simples e obscuro:
Flipull: An Exciting Cube Game, que na Sessão da Tarde seria UM KICK-BLOCKXER ELETRIZANTE, foi lançado pela Taito em 1989 para arcades e portado para consoles e portáteis nos anos seguintes.

O jogo foi renomeado Plotting no ocidente, o que na minha opinião foi bem desnecessário já que o título original descreve melhor a jogabilidade e até cortaram a animação na tela título com essa mudança. Algo curioso é que enquanto a versão arcade japonesa está com textos em japonês os ports que testei estão em inglês apesar de terem sido lançados exclusivamente no Japão.

Flipull não é lá tão empolgante quanto o subtítulo dá a entender mas tem uma mecânica criativa. Num lado do campo, uma bolota carrega um entre 4 tipos de blocos. No outro canto há uma pilha de blocos aleatórios e devemos lançar o bloco atual em seus semelhantes para apagá-los, sendo que ele vai trocar de lugar com o primeiro bloco diferente que acertar e retornar à bolota. Ou seja, vira-puxa — o título do jogo. Ba dum tss.

O bloco pode rebater para baixo quando é preciso acertar blocos por cima e várias fases mudam o formato do teto e colocam barreiras para limitar isso. Enquanto o número de blocos não for igual a meta da fase, devemos observar a pilha para evitar aqueles que não tem par disponível. Acabar nessa situação custa uma vida e nos dá um bloco coringa para continuar. Temos 3 continues de 3 vidas para ir o mais longe possível.

Também há limite de tempo: quando falta 30 segundos “HURRY UP!” aparece na tela e o ritmo da música acelera, mas se o tempo acaba com a pilha dentro da meta a fase conta como vencida. E leva várias fases até a pilha ficar grande a ponto de isso ser uma ameaça.

Em questão de pontuação, pegar dois ou mais blocos de uma vez vale mais pontos. Na versão arcade cada fase termina ao alcançar a meta, mas nos ports elas continuam até ficarmos sem movimentos. Isso possibilita um bônus de perfeição ao reduzir a pilha a um bloco de cada tipo. Flipull tem um modo multiplayer em que dois jogadores competem para ver quem vai mais longe e esse modo está disponível na versão Game Boy. A versão NES não tem isso e compensa com um segundo modo para um jogador em que cada fase deve ser terminada perfeitamente.

A versão arcade acaba na fase 59 e não tem cena final, mas a versão NES adiciona uma após a fase 50. E é isso. Flipull é um quebra-cabeças simples mas também bem pensado que não pode vencido só tacando os blocos sem pensar nos próximos movimentos. Renderia um bom passatempo tê-lo em cartucho ou em emulador no celular.

Me pergunto se esse jogo influenciou de alguma forma o Guru Logi Champ que a Compile lançou vários anos depois no Game Boy Advance. Esse também é um puzzle sobre bolotas atirando e rebatendo blocos numa pilha que eu já deveria ter comentado por aqui.

Mega (Man) Maker 1.1 lançado

25 de outubro de 2017 Deixe um comentário


O Mega Maker foi atualizado ontem para a versão 1.1 com dois chefes novos e mais algumas armas com usos criativos que elas não tinham nos jogos de origem. A interface do programa também foi reformada e o título mudou para “Mega Man Maker” por questões de direitos autoriais… com gente que não é a Capcom.

Pra quem não conhecia, o Mega Man Maker é um prático editor não oficial de fases de Mega Man nos moldes do editor que o Mega Man Powered Up tinha. A própria Capcom também tinha um editor oficial chamado Mega Man Universe em andamento há alguns anos, mas cancelaram junto com o Legends 3 e a Nintendo passou por cima deles com o Super Mario Maker.

Fica aqui o link do site para quem quiser montar fases.

Sonic 3D Blast vai ganhar um romhack oficial de seu criador

24 de outubro de 2017 Deixe um comentário


O Sonic 3D Blast é um jogo que tem bastante valor sentimental para mim que comprou o cartucho numa viagem à Maceió quando moleque. Os controles não eram tão lisos e o foco em exploração pode incomodar alguns, mas ele está longe de ser um jogo ruim. O fundador da Traveller’s Tales, Jon Burto, também parece ter apreço pelo jogo pois anunciou recentemente um romhack com diversas melhorias no seu canal GameHut. A atualização indica melhor a posição de Flickies perdidos, tem o Super Sonic destravável (tem isso num outro romhack que corta a mecânica de explorar e salvar Flickies e ferra toda a proposta do jogo) e até um editor de fases/modo debug.

Além desse projeto, o canal GameHut tem tido vários videos interessantes explicando como funcionava a programação por traz de todos aqueles efeitos impressionantes dos jogos da Traveller’s Tales no Mega Drive. Vale a pena assisti-los.