Arquivo

Archive for the ‘Mega Man’ Category

Demo de Mega Man Battle Network Overclocked

15 de dezembro de 2020 1 comentário


Mega Man Battle Network Overclocked é um fã-remake do primeiro jogo do Mega Man Anti-vírus com gráficos 3D. A demo atual tem o primeiro capítulo da aventura, sendo que o Nick-West não pretende continuar o projeto além do segundo capítulo.

Gostei de ouvir um tema do Battlechip Challenge tocando na luta contra o GutsMan.


E o que dizer disso… bem, é simplesmente o BN1 em 3D e com algumas poucas adições vindas das continuações ou do port Operation Shooting Star de Nintendo DS. Embora o BN1 não tenha sido exatamente um jogo ruim, tal como em qualquer começo de série de Mega Man menos o X1 ainda faltava muito polimento em suas mecânicas e level design.

O visual do remake é bonito, bem bonitinho mesmo, mas um detalhe tosco na versão que baixei é as expressões dos personagens. Enquanto escrevo este post já devem ter consertado o problema, mas gostaria de deixar registrado mesmo assim…

Calma, Mayl, o remake não vai durar o bastante pra adaptar o easter egg once o Lan vê você trocando de roupa…


Em toda a série, somente o port pra DS do quinto jogo tinha caixas de diálogo expressivas para os personagens e Overclocked resgata isso… só que o Lan e o MegaMan.exe ficam fazendo cara de espanto o tempo todo em cenas que nem fazem sentido!

Além disso, o sombreamento nos personagens e o estilo dos olhos deles faz a Profa. Mari e a Mayl ficarem perpetuamente encarando a tela de um jeito que me rendeu uma boas risadas aqui. Só porque o título original era “Rockman.EXE” não significa que seja creepypasta…

O dungeon do FireMan não foi alterado e continua com um quebra-cabeças bem simples… e como o projeto não adaptará o capítulo do ElecMan nunca saberemos se o maldito labirinto dele seria menos frustrante…

E é sempre engraçadinho ver nesta parte do jogo a cena que ilustra a “Ciência da Capcom” que permeia todo o mundo cibernético da série: Lan conecta seu smartphone num fogão em chamas para o MegaMan liquidar os vírus dentro da máquina, mas quando a situação piora o herói é forçado a tomar atitudes drásticas…

Não tentem isto em casa, crianças!


Em geral a demo vale pela curiosidade tenham vocês jogado o original ou não. Deve dar pra confrontar e vencer o FireMan em menos de uma hora, especialmente se o jogo bugar pra vocês também e não aparecer qualquer encontro aleatório com vírus, restando apenas passar pelo tutorial e mais umas três lutas fixas. Espero que também já tenham corrigido isso: https://nick-west.itch.io/megaman-battle-network-overclocked

(Review – PC) Mega Man RAM

10 de novembro de 2020 2 comentários


No passado já um tanto distante foi grande coisa a Capcom ter lançado dois Mega Mans oficiais com gráficos 8-bit e projetados nos padrões do Mega Man 2, mas hoje em dia os próprios fãs tem engines caseiras que lhes permitem criar trabalhos retrôs interessantes como o Unlimited, o Rock Force, o Rock & Roll e agora este Mega Man RAM que foi criado pelo J8-BIT FORAGER na Megamix Engine.

De acordo com a historinha… no manual, pois o jogo não tem abertura… o vilão da peça não é mesmo o Dr. Wily mas sim o Sheep Man, que ficou fortão e quer dominar o mundo com seu grupo de robôs-mestres. Um grupo bem inclusivo, dividido igualmente em 3 Robo-men e 3 Robo-women: Spiral Man, Creamery Man, Chimera Man, Sugaku Woman, Sickle Woman e Traction Woman.

Sim, seis chefes ao invés de oito, e o castelo do Sheep Man infelizmente é só duas fases. O lado positivo é que as fases são bem construidas com cenários bonitos, inimigos bem posicionados, gimmicks variadas e uma boa duração que frustra pouco mesmo após um game over e outro. Gostei de ver as geléias propulsoras na fase do Spiral Man e o carrinho no final da fase da Traction Woman.

Fora os E-Tanks escondidos não há outros items especiais pelas fases, mas é possível comprar alguns upgrades na lojinha do Dr. Light. Entre eles é essencial o upgrade do escorregão que faz o Mega manter a velocidade entre um dash e um pulo. Outros dão misseis e uma espadinha infinitas mas como a aventura é bem curta acabei nem vendo os mísseis!

Os chefes tem padrões de ataque divertidos e depois de detonados suas armas causam um bom estrago nos demais inimigos. Algumas delas até possuem utilidades secundárias, como o Parabolic Charge que rouba vida e facilita até demais a jogatina ou o Softserve Seeker que congela inimigos com mísseis teleguiados. Ao invés do Rush Coil e Jet, o Mega tem o Teleport Phaser que faz ele dar um pulão reto pra cima na forma de energia para se esquivar, acertar os inimigos e trapacear certos desafios de plataforma.

Como fui usando as arminhas sem medo de ser feliz, não reparei no quão viável é completar o jogo só na pistola e sem upgrades. Já aviso que tem uma área de buracos sem fundo, plataformas temporárias e inimigos voadores na fase da Sickle Woman que não hesitei em literalmente pular com o upgrade do escorregão assim que o comprei!

Enfim, Mega Man RAM é um fangame bem convincente do Mega Man clássico que só peca por parecer que há algo faltanto em comparação a estrutura com que estamos acostumados no resto da série. Uma hora de jogatina basta. Nem final tem: o Sheep Man cai de joelhos e já rolam os créditos. Há sinais de um modo difícil no jogo, mas não tenho ideia de como destravá-lo…

Fica aqui o link pro fangame: https://gamejolt.com/games/mega-man-ram/551844

Gameplay de Maverick Hunter X: Giga Mission

18 de janeiro de 2020 Deixe um comentário


O Maverick Hunter X: Giga Mission é um promissor fangame de Mega Man X desenvolvido pelo Rodrigo Shin do blog falecido O Ácido Cinza (o cara do Cataegis: The White Wind e do Mega Man Vs. Reirom). Saiu um vídeo com uma volta completa pela primeira fase, e podemos ver como funciona a jogabilidade em estilo beat ‘em up e como os personagens secundários vindos dos quadrinhos da série podem ajudar o herói.

O jogo ainda não tem previsão de lançamento.

(Review – GBA) MegaMan Battle Network 4.5: Real Operation

10 de dezembro de 2019 Deixe um comentário


A Capcom nunca se meteu a lançar um MegaMan Battle Network para smartphones mesmo com todas as previsões que fizeram sobre a Internet das Coisas, mas de certa forma já tinha feito algo parecido no GBA durante o auge da série. Com este Rockman.EXE 4.5: Real Operation lançado em 2004 exclusivamente no Japão e que foi traduzido por fãs recentemente eles previram um bocado da era atual dos jogos de smartphone, para o bem e para o mal.
Leia mais…

Saiu a tradução para inglês de Rockman.EXE 4.5: Real Operation!!!

27 de outubro de 2019 Deixe um comentário

Mais de 20 carinhas, incluindo o Bass, podem ser destravados e escolhidos como “bichinho virtual”.


O Rockman.EXE 4.5: Real Operation é um spinoff dá série MegaMan Battle Network que foi exclusivo do Japão e que era compatível com um brinquedo chamado BattleChip Gate. O acessório permitia ao jogador bancar o operador de NetNavi e usar chips de verdade para ativar os ataques no jogo. Por isso o personagem escolhido, que não precisa ser o MegaMan, se move automaticamente pelo tabuleiro até responder algum comando.

Bom, finalmente saiu um patch que traduz a ROM do jogo para a língua inglesa e até conserta bugs e adiciona alguns extras, além de tornar acessível as coisas que eram exclusivas do BattleChip Gate.

Ainda não consigo acreditar que a Capcom nunca prestou pra fazer um Battle Network pra smartphones, por mais mercenário que pudesse ser…


O jogo não tem enredo e simplesmente foca nos combates e exploração, sendo que as áreas mudam conforme o horário em tempo real. Por mais que eu goste de MMBN, e apesar de eu ter tido o cartucho do mar-di-to Battle Chip Challenge em japonês e ter zerado ele 100%, eu nunca joguei direito este aqui!

Embora o celular em que eu jogava GBA esteja com o botão de ligar enguiçado, vou logo patchear a ROM pra jogar no computador mesmo, e vocês também, se quiserem experimentar um RPG de ação fora do comum e sabem mecher com ROMs, podem ir atrás!

Edit:
O manual que vem com o patch recomenda o emulador mGBA para rodar o jogo. Depois de pegar a ROM em algum site que a Nintendo não tenha ferrado, usem o aplicativo Floating IPS para aplicar o patch nela.

SAGE 2019, post 3

6 de outubro de 2019 1 comentário

(post anterior)

Acabou a SAGE e eu fiquei alguns dias fora do ar por causa do computador estar com o maldito “clique da morte” que impede o HD de funcionar, e ainda por cima com este calor é capaz dele sobreaquecer e resetar repetidamente mesmo que ligue, causando mais cliques ainda. Mas enfim, voltando ao raciocínio…

Dunkehr

Dunkehr é um jogo de ação bem gostoso de jogar, e traz um guerreiro ratel para nosso controle. A jogabilidade tem dois botões de ataque, mais o pulo e a esquiva. Como todo bom jornalista de videogame eu ignorei completamente o manual no menu de pausa mas ao contrário deles fui testando as várias combinações de comandos conforme jogava. Os diversos inimigos devem ser tratados com cautela, pois estão em posições estratégicas e podem aplicar combos no Dunkehr. Para lidar com isso, é só confiar que as presas mais afiadas ganham, pois isso é Killing Bites, meus chapas.

Mas sério, o texugo-de-mel conta com seus próprios combos, golpes de longo alcance, uma rasteira útil contra inimigos que usam escudo e um especial que causa dano espetacular, sendo que a barra de vigor a ser gasta para isso enche fácil, fácil. Nem precisa usar muito a esquiva para empalar os inimigos nas costas, mas tá aí pra quem gosta. Ao finalmente ler o manual no menu de pausa, também descobri que o ataque fraco pode aparar os golpes dos inimigos para tonteá-los, e que há um especial alternativo que fortifica o herói.

Fora isso, há diversas extensões da barra de vida escondidas pela única fase da demo e morrer só manda o Dunkehr de volta pro checkpoint anterior sem mais punição alguma. O jogo não é nem de longe tão difícil quanto estão dizendo por aí, e tampouco tem “os piores controles da SAGE 2019”. Só as musiquinhas em MIDI que enchem o saco.

Também tem um modo Versus para dois jogadores, mas isso eu não pude testar.

Starbuster

Starbuster é puro Mega Man Zero. Tem sabre, tem pistola, tem powerups escondidos que modificam as propriedades das armas, pulos nas paredes… Simplesmente isso. Tudo funcionando muito bem e dentro do esperado por duas fases nesta demo, e com direito a três chefões. Depois de jogar, li melhor as instruções e descobri que aqui também tem aparação de golpes por meio do sabre. Dá até pra aparar os trens que passam pela segunda fase!

Teabat!

Em Teabat!, um morcego bonitinho deve saltitar por diversas áreas em busca de bules de chá. Conforme avançamos os mapas são revelados no topo da tela, e observando eles é possível deduzir onde podem estar os bules. Para terminar a demo, é preciso apanhar 30 e alcançar um portão especial que se encontra algumas telas depois que vencemos um chefe de fase.

O jogo diverte pela simplicidade e tem um visual carismático que remete ao Game Boy Color. Com as xícaras espalhadas pelos cenários, é até possível comprar paletas de cores para modificar o visual. Também vale notar que há um port para smartphones Android disponível.