Início > Games, Reviews > (Review – GBC) Metal Walker

(Review – GBC) Metal Walker

Título: Metal Walker
Console: Game Boy Color
Lançado em: 24/12/1999 (JP), 06/02/2001 (NA)
Produtora: Capcom


Metal Walker é um bom RPG da Capcom para o Game Boy Color. Ele se passa num futuro pós-apocalíptico em uma ilha que foi destruida por uma grande explosão que ocorreu por causa de experiencias do exército com um metal chamado Core. A ilha está repleta de robôs assassinos que capturam Tetsuo, o pai de do herói do jogo, Tetto. Com a ajuda de seu Metal Walker e do Professor Hawk, Tetto sai em busca de seu pai e dos Cores.

O jogo tem uma mecânica de bolinha de gude para as batalhas, onde se escolhe uma direção e força para lançar o Metal Walker e bater nos inimigos e quicar nas paredes. Se um inimigo sobrevive ao ataque, o Walker para enquanto o inimigo rebate pela área, mas se o inimigo é destruído, o Walker ainda poderá acertar outros. Se dois ou mais robôs são destruídos num movimento, o jogo dá um generoso bônus de experiência. Como os inimigos usam sempre a mesma sequência de movimentos, há formas de garantir esse bônus.

Durante as batalhas, o Walker e os Busters podem largar cápsulas pela arena para atacar, atrapalhar ou recuperar energia. Cada inimigo tem um item específico que pode ser roubado e disponibilizado nas lojas ao fazê-los acertar o item Analyzer. Obter os três items HP é essencial para se dar bem no jogo. Get Blown e Crane também são úteis, pois servem para transportar Tetto de volta a última base/loja visitada.

O que mais me incomodou neste jogo foi como as cápsulas são facas de dois legumes nas lutas. Quando usadas (e é preciso visitar a Battle Arena para deixar isso em modo manual) elas aparecem num lugar aleatório da tela, o que pode tanto ajudar quanto estragar tudo dependendo da sorte.

Ao derrotar os chefes, Tetto encontra Cores (existem 3 para cada tipo, mais 3 escondidos) que podem ser combinados para evoluir o Metal Ball, o que muda seu elemento e atributos. O overworld tem barreiras, buracos e mares para bloquear caminhos até que o personagem tenha os Cores necessários para passá-los.

O jogo é mais difícil do que a temática semi-fofinha dá a entender. Os encontros aleatórios com inimigos acontecem frequentemente. É raro atravessar uma tela sem topar com robôs e ainda por cima até as cidades e certos prédios estão infestados com eles. A maioria das batalhas não dura mais do que dois turnos, mas o dano acumulado VAI derrubar o Metal Walker se não houverem duas ou três cápsulas de HP guardadas.

Não há muito o que fazer além da jornada principal. Tem 3 Cores secretos e no lado leste do mapa há uma “Battle Arena”, que serve para jogar duelos em modo multiplayer. Há conteúdo pra um jogador, mas são só 4 inimigos e não há recompensas. Por fim, o comunicador escolhido no começo do jogo determina quais inimigos aparecerão, o que serve de incentivo pra jogar o jogo uma segunda vez. Pena que o jogo só tem um save slot (queria fazer o pessoal comprar duas cópias do jogo, não é, Capcom?).

Enfim, Metal Walker tem uma história básica com reviravoltas previsíveis (e insinuações óbvias dos NPCs) e um sistema de combate único e bacaninha. Pouco conhecido, mas bem interessante. Joguem se tiverem curiosidade.

Categorias:Games, Reviews Tags:
  1. 23 de janeiro de 2012 às 3:50 PM

    Fala Emerson, beleza?

    Cara, há poucos dias eu topei com Metal Walker na net. Pesquiso muito no Youtube e uma edição de 100 jogos de Game Boy Color em 10 minutos (ó o link aqui: http://www.youtube.com/watch?v=PrEfMJwM7Go) mostrava rapidamente essa belezinha. Fiquei interessado nos gráficos e quando olhei pela primeira vez até imaginei que fosse algum pokemon. O sistema de batalha que você mencionou me lembrou um jogo para Super Nintendo, Kirby’s Dream Course. Acho que o termo mais correto seria minigolf (peteca? hehe).

    Fiquei bem interessado em jogá-lo, o jogo parece ser muito bom. E pelo fato de ser da Capcom me deixou mais interessado ainda.

    Um abraço!

  2. 23 de janeiro de 2012 às 6:25 PM

    Beleza.

    Comparar este jogo com Pokémon é algo fácil de se dizer, mas apesar das semelhanças, os dois jogos são bem distintos. E eu fiz a comparação com bola de gude por causa do lance de rebater os inimigos uns nos outros. Se o objetivo fosse jogar os bichos num buraco (o que É possível, mas deve ser evitado), eu acho que teria escrito Golf, sim.

    High Five!

    • 24 de janeiro de 2012 às 1:35 AM

      Jogar no buraco, hehe. Tá certo. Só tenho algumas dúvidas, Emerson: O jogo é longo ou não? E quanto as side-quests?

      High Five!

      • 24 de janeiro de 2012 às 2:27 PM

        O jogo dura algumas horas e tem pouquíssimas sidequests.

  3. 24 de janeiro de 2012 às 7:49 PM

    Anotado.

  4. 25 de janeiro de 2012 às 12:24 AM

    Amanhã dá uma olhadinha no meu blog, acho que você vai se amarrar….

    Um abraço!

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: